Fibra dietética reduz a inflamação do cérebro durante o envelhecimento

Fonte: Science Daily * em 14.09.2018
University of Illinois College of Agricultural, Consumer and Environmental Sciences
Tradução especial para Doce Limão: Professional Translations **

À medida que os mamíferos envelhecem, as células imunes do cérebro, conhecidas como micróglia, tornam-se cronicamente inflamadas. Nesse estado, produzem substâncias químicas conhecidas por prejudicarem a função cognitiva e motora. Essa é uma explicação do por que a memória desaparece e outras funções do cérebro diminuem durante a velhice. Mas, de acordo com um novo estudo da Universidade de Illinois, pode haver um remédio para retardar o inevitável: fibra alimentar.

A fibra dietética promove o crescimento de bactérias boas no intestino. Quando essas bactérias digerem fibras, elas produzem ácidos graxos de cadeia curta (AGCCs), incluindo butirato, como subprodutos.

"O butirato é interessante porque demonstrou ter propriedades antiinflamatórias na micróglia e melhorar a memória em camundongos quando administrado farmacologicamente", diz Rodney Johnson, professor e chefe do Departamento de Ciências Animais da Universidade de Illinois, e autor correspondente em o estudo Frontiers in Immunology.

Embora os resultados positivos do butirato de sódio - a forma da droga - tenham sido observados em estudos anteriores, o mecanismo não estava claro. O novo estudo revela, em camundongos velhos, que o butirato inibe a produção de substâncias químicas nocivas pela micróglia inflamada. Uma dessas substâncias químicas é a interleucina-1, que tem sido associada à doença de Alzheimer em humanos.

Entender como funciona o butirato de sódio é um passo à frente, mas os pesquisadores estavam mais interessados ​​em saber se os mesmos efeitos poderiam ser obtidos simplesmente alimentando os camundongos com mais fibra.

Brotos Girassol
Brotos de girassol é PANC, é clorofila na veia!

"As pessoas não são susceptíveis de consumir butirato de sódio diretamente, devido ao seu odor", diz Johnson. "Uma maneira prática de obter butirato elevado é consumir uma dieta rica em fibras solúveis".

O conceito aproveita o fato de que as bactérias intestinais convertem a fibra em butirato naturalmente.

“Sabemos que a dieta tem uma grande influência na composição e função de micróbios no intestino e que dietas ricas em fibras beneficiam bons micróbios, enquanto dietas ricas em gordura e proteína podem ter uma influência negativa na composição e função microbiana”.

“Alterar os micróbios do intestino, é uma maneira de afetar a doença”, diz Jeff Woods, professor do Departamento de Cinesiologia e Saúde Comunitária da Universidade de Illinois e coautor do estudo.

O butirato derivado da fibra dietética deveria ter os mesmos benefícios no cérebro que aquele ingerido na forma de droga, mas ninguém tinha testado isto antes. Os pesquisadores alimentaram camundongos jovens e velhos com dietas com baixo e alto conteúdo em fibra e mediram os níveis de butirato e outros AGCCs (ácidos graxos de cadeia curta) no sangue, bem como produtos químicos inflamatórios no intestino.

"A dieta rica em fibras elevou o butirato e outros AGCCs no sangue, tanto em camundongos jovens como em ratos idosos. Mas apenas os camundongos idosos mostraram inflamação intestinal na dieta pobre em fibras", diz Johnson.

"É interessante que os jovens adultos não tenham essa resposta inflamatória com a mesma dieta.
Isso evidencia claramente a vulnerabilidade da idade avançada".

Por outro lado, quando ratos velhos consumiram a dieta rica em fibras, sua inflamação intestinal foi reduzida drasticamente, não mostrando diferença entre os grupos etários. Johnson conclui: "A fibra dietética pode realmente modificar o ambiente inflamatório no intestino".

O próximo passo foi olhar para sinais de inflamação no cérebro. Os pesquisadores examinaram cerca de 50 genes únicos na micróglia e descobriram que a dieta rica em fibras reduziu o perfil inflamatório em animais idosos.

Os pesquisadores não examinaram os efeitos das dietas sobre a cognição nem no comportamento ou os mecanismos precisos no eixo do intestino-cérebro, mas planejam lidar com esse trabalho no futuro como parte de uma nova doação de quase US$ 2 milhões do Instituto Nacional do Envelhecimento, parte do National Institute of Health.

Embora o estudo tenha sido conduzido em camundongos, Johnson se sente confortável em estender suas descobertas para os humanos, mesmo que seja apenas no sentido geral.

"O que você come é importante. Sabemos que adultos mais velhos consomem 40% menos fibra dietética do que o recomendado. Não obter fibras suficientes pode ter consequências negativas para coisas que você nem imagina, como as conexões da saúde cerebral e a inflamação em geral”.

Participe no nosso próximo encontro de Imersão em Alimentação Regenerativa
De 13 a 17 de novembro em Matutu/MG. Clique AQUI para saber mais:

(*) ScienceDaily - Dietary fiber reduces brain inflammation during aging - Publicada em setembro 2018.

(**) Tradução especial para Doce Limão por Fernando Trucco - Professional Translations - Reprodução permitida desde que citada a fonte e o tradutor.

Vamos ser amigos?

Inscreva-se para receber gratuitamente o Boletim Doce Limão e ainda leve de brinde a Apostila de Meditação, em formato PDF.

Se além disso você também deseja ter acesso a todos os nossos cursos online e conteúdos exclusivos, seja um Assinante Doce Limão. Clique aqui!

Siga-nos no Facebook

Clique aqui para conferir todos os eventos.

Comentários e perguntas

 Caro leitor,

Ficou com alguma dúvida sobre este artigo? A área de comentários e perguntas é exclusiva para assinantes Doce Limão. Por apenas R$ 20 mensais, você terá acesso a todo conteúdo exclusivo, como palestras, cursos online e muito mais, além de poder enviar perguntas, que serão respondidas pela Conceição Trucom e equipe.

 

Saiba mais e assine